quarta-feira, 16 de setembro de 2009

HIPOCRISIA CIVILIZATÓRIA

Existem certas coisas que são comuns a todos, como as necessidades fisiológicas, que tomo como exemplo, hoje, para postar o selinho que ganhei de Aninha Leme. Minhas palavras sinceras tem tudo a ver com o balão do selinho abaixo.
É extremamente estranho como todos nascemos defecando, urinando, distribuindo flatos pela atmosfera. Isso é até um bom sinal quando chegamos ao mundo, pois significa que o bebê está bem e já pode ir descarregar as necessidades em casa. Ao crescer, essa noção de vida se inverte de tal forma, que todos perdemos o intestino à medida que tomamos conhecimento do que é o mundo esteticamente correto. Ninguém mija, nem caga nem peida. Tem gente aí do outro lado que deve estar me achando “umazinha” por falar publicamente sobre isso. Quem for flagrado portando – ou largando, o que é pior – alguma fisiologia por aí pode perder, para toda a eternidade, o ar de elegância, inteligência e sensualidade conquistado ao longo de uma vida.

Essa aversão a “escatologias fisiológicas” está tão presente em nossa cultura que é sinônimo de imundície para quem os profere abertamente. A hipocrisia ridícula me dominava até hoje. Não mais.

Sabe aquele gato? Moreno, alto, voz sussurrando ao pé de ouvido, músculos bem distribuídos em todos os graus, mãos fortes. Maior pegação, suor - suar pouco, pode, né? Sudorese já entra para a lista de escatologias – e, de repente, um PRRROOOOCCCCC. O moço nem abre o olho enquanto você arregala os seus dois e congela a imagem até decidir se cai na risada, tampa o nariz ou sai correndo. Foi um pum, um peido, um flato, que vem do latim flatus, e que é uma composição de gases altamente variável, expelida pelo ânus. Sim, o que conhecemos popularmente como “cu”. Na hora, leitores, o gato vira rato e eu evaporo.

Isso não aconteceu comigo. Garanto. O que mudou minha opinião conto nos parágrafos que seguem. Mas... Alguém faria diferente? Não se trata de um namorado de anos (se for recente vira ex rapidinho) nem de um marido. É um paquera recente com curriculum bem encaminhado no setor pessoal. Você contrataria esse serviço?

Eu tive uma amiga que foi casada uns 3 anos e o marido dela jurava que a esposa não tinha intestino. O caçador de puns me garantiu que quando ela saía do banho ele entrava correndo para ver se descobria algum gás nobre se dissipando pelo ambiente. Como ela conseguia fazer “isso” só na hora do banho? Ela não ligava para as flatulências, por cima e por baixo, dele, mas ficava vermelha só de ouvir falar nos gases próprios.

O que me aconteceu hoje foi o seguinte: estou eu na casa de uma pessoa que tem a família mais bem dotada de beleza da cidade. O irmão dessa pessoa é a coisa mais graciosa que existe. A lindeza estava tomando banho quando cheguei e já imaginei o corpinho esbelto passeando de toalha na minha frente no caminho do quarto. Antes de ouvir o “nhéééééc” da porta, senti o odor de um gás que parecia ter sido expelido dos confins da Terra, através de um vulcão em estado latente de erupção. Como uma coisinha tão linda pode carregar dentro de si uma granada daquele porte?

Mas daí me veio o questionamento: “O que tem de anormal nisso?”. As pessoas nascem, crescem e morrem. Tudo que entra sái. O cara tem um intestino que funciona bem, né? Pelo menos é saudável... É uma hipocrisia muito grande viver como minha amiga fingindo que não tem quase 9 metros de intestino transportando bosta dentro de si!

Nas aulas de antropologia, aprendi que, um dia, a sociedade passou por um processo civilizatório em que a nobreza distinguia-se da plebe pelos costumes. O hábito de comer de mão, odores do corpo, jeito de comer, de se comportar foi mudando a forma de ser visto por uma necessidade de o homem nobre ter atitude civilizada, que não lembrassem um animal, o que de fato ele era e continua sendo.

Temos tanto nojo dessas comprovações fisiologicamente humanas de vida que somos capazes de deixar de amar um homem que não faz a barba, não arranca os pêlos excedentes do nariz, não está devidamente “depilado”, etc. e tals. O mesmo pode ser dito das mulheres que, geralmente, são mais cobradas ainda que os rapazes no que diz respeito a “educação”.

Enfim... O tema do selo é sobre as palavras sinceras que interessam. Aí vão minhas palavras sinceras: um peido solto não mata, um arroto livre não prejudica o caráter de ninguém e as fezes vão para onde têm que ir. Pior é a hipocrisia que deixa preso dentro o que pode provocar infecção intestinal e colaborar para o apodrecimento de uma massa cinzenta já prejudica pela necessidade do esteticamente correto. Pronto, falei!

Mas, na moral, se puder evitar, vá peidar pra lá!!!

20 comentários:

Anônimo disse...

Nesta postagem foram focalizadas as necessidades fisiológicas que todos temos desde o nascimento e, entre elas, o peido. Confesso que sofro muito desse mal. Me fez lembrar quando eu ainda garotão, numa cidadezinha do interior, num local onde alguns adultos se reunia para um bate papo, comentários, eu me fiz presente e fui sentar sobre uma grande pedra e, sem esperar, saiu um grande PUM que de tão alto fez com que o cabo cmt do destacamento se deslocasse acompanhado de cinco praças, em fileira, até o local do "pum". Quando eu percebi o deslocamento daqueles policiais, eu me escondi no interior de uma casa ao lado. O pessoal adulto foi todo enxotado e ameaçado, sem oportunidade de defesa. Embora assustado não deixei de dar minhas rizadas depois do episódio.

Luciana Guimarães disse...

KKKKKKKKKKKKKKKK
Ô anônimo... Eu tb não ficaria, mais por vergonha que por medo. Na verdade, ia ficar um mês trancada em casa...rsrsrsrsrs

Alexsandra Moreira disse...

É verdade, hipocrisia é foda... Não sabia que vc andava tolerante aos peidinhos dos colegos... Vou avisar a Ademil....kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Desabafando disse...

ahahahahahaha,

amiga....vc tem toda razão no seu post, vc disse o que muita gente pensa mas tem vergonha de dizer...rsrsrsrs....adorei sua sinceridade!

Aproveito pra agradecer a força e compreensão no comentário que vc deixou lá no meu blog...eu estava com tanto medo de contar certas coisas, mas acabei encontrando muito mais apoio do que podia imaginar. Olha, eu faço terapia há 4 anos...antes tinha feito por 1ano e meio com outro psicólogo. Acho que se todo mundo fizesse um pouquinho desse trabalho de organização interior o mundo seria bem melhor. Que bom que vc já está notando melhoras. É difícil mas precisamos arrumar nossas gavetas né? Eu já mexi em boa parte do armário nesse processo...e não enxergo o garoto como uma chave, e sim como algo que deixou de fazer parte da gaveta, mas de qualquer forma vc me fez pensar....obrigada pelo carinho! E não desista da terapia!

Isadhora disse...

Olha...
pum todo mundo faz.. (sorry... nao falo peido)
Mas existem modos e modos de fazer pum na frente de um marido/mulher.

Se vira uma coisa escrachada, sem o MENOR pudor, vira sacanagem... e aí o tempo faz perder a graça...

Anônimo disse...

KKKKKKK cuidado com os puns na cama, eles podem furar o colchão!

Desabafando disse...

amiga, tem presentinho pra vc no meu blog...passa lá!

Anônimo disse...

Eu citei aquele do tempo de garoto e que incomodou até a polícia.Mas, até hoje, com os meus 80 anos,continuo soltando. Parece doença! O que fazer? Continuar ...

Mercuriana disse...

Olá Luciana, ainda não li tudo que está no seu blog, o que pretendo fazer em seguida. Gostei bastante do seu estilo. Sabe que muitas vezes me pego pensando nas celebridades, sentadas no "trono", fazendo igualzinho a todo mundo?
Pode ser que o papel seja mais sofisticado mas, como vc. colocou muito bem, salvo qualquer disfunção, todos temos um intestino idêntico...rsrsrs
Vou ficar frequentadora do seu blog e quero te convidar para visitar os meus. Sou terapêuta Floral e tenho um blog sobre Florais de Bach e um outro, onde assino Mercuriana (regida por Mercúrio). http://soniarocha-floraisdebach.blogspot.com e
http://mercuriana-precisofalar.blogspot.com
Aguardo sua visita
um abraço
Sonia

Mônica disse...

HAHAHAHAHA...
Gostei!!!!!!!
As mulheres tem intestino sim, peidam e cagam!E arrotam também!
Conheço gente que não gosta nem de FALAR SOBRE O ASSUNTO!
Aff....gente assim me sufoca!
A perfeição em pessoa!O cu preso!
Parece que come flor, e mija perfume e caga sabonete!hahahahaha

Adorei o texto!!

Confesso que não aguento mais sentir os peidos de uma pessoa que mora comigo!Pq namoral...essa pessoa peida de mais!Aí não tem nariz que aguente!!!!

Elisa no blog disse...

Adorei o seu post.
Vc tem razão, colocou seu ponto de vista de um modo original e criativo.

Meu pai (era japonês e já morreu) me contou que séculos atrás no Japão, uma noiva peidou no seu casamento, na frente de todo mundo. A vergonha foi tanta que ela se suicidou. Na época era vergonha mortal soltar pum em público. Tadinha da moça.
Diz que o caso é verídico. Pode algo assim? Acho que não se pode é chegar a um radicalismo desses. O que vc acha?

Esse batom é mágico porque se o Brad Pitt aparecesse na minha frente dando mole para mim , sem a Angelina Jolie por perto, eu teria coragem de beijar, desde que estivesse com aquele batom. Juro. rsrs

Bj

Geovana disse...

Lú... só lembrei vc no carro aquele dia do violão...ehehehe... vc é realmente louca e bela.

Tem razão... o que são pequenos gases diante de tanta barbaridade que sai da boca?

Beijo.

João disse...

Me deleitei com com os puns e textos dessa sua casa.
Voltarei sempre, com certeza.

Leandro disse...

Falou e disse, moça!
Como gostei vou ficando...
=D

Luciana Guimarães disse...

Anônimo... Não sei se sou boa conselheira, mas, já que vc pediu... Tudo que está preso precisa sair, mas também não faça de quem está ao seu lado um purificador de gás carbônico, pois sua companhia pode se tornar um tanto quanto desagradável com o passar do tempo... Se houver um lugar discreto, se o vento levar, melhor ainda... Procurar ser discreto é o melhor... Mas, se o problema é tão grave assim, pq vc não procura um médico? De repente, vc é um caso raro na medicina e pode ser um fabricante em potencial de alguma arma atômica. Já pensou no Irã brigando para o Brasil desativar essa fonte em potencial de usina nuclear? KKKKKK
Só não largue isso perto de mim, tá? Bons flatos...

Anônimo disse...

Ok, Luciana, agradeço pelos conselhos e as providências que devo adotar para o problema.Devo acrescentar que procuro o meu lugar e um lugar certo.Mas que a coisa é verdadeira, é.
Respeitosos abraços

Déia disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
rindo muito...

Anônimo disse...

Nunca entendi muito bem o asco, o preconceito, a cisma e a ironia grosseira que a humanidade, de um modo geral, vem dedicando ao cu. Outras partes do corpo, que também se escondem sob vestes e roupas, como os seios femininos, as nádegas e o pénis, por exemplo, são via de regra mostradas e exibidas aqui e ali com grande prazer e júbilo, servindo mesmo como ilustrações e obras de arte e mitologia. Mas ao cu só se devotam desprezo e nojo. Gostaria, pois, navegando rio acima, de dar ao cu a dignidade, o respeito, o zelo, o cuidado e a importância que ele merece de todos nós. Um resgate histórico-cultural.
O cu é complexo. Mesmo desconsiderando as questões e os problemas vizinhos do colo ileopélvico, do sigmóide, do reto, do ponto crítico de Sudeck, da fita cólica distal, dos ramos epiplóicos, das colunas, válvulas e criptas de Morgani, que dão feição, encaixe, suporte e armação ao cu, ele é complexo. No aparelho esfincteriano, toda a circunferência do cu é ocupada pelo espaço perianal ou subcutâneo. O cu é a abertura para o exterior do canal anal. Quando fechado, tem o aspecto de fenda disposta no sentido ântero-posterior ou transversal e, quando aberto, o seu contorno é circular. Dois sulcos medianos aí se mostram: a rafe sacrococcígea e a rafe anobulbar ou ano-vaginal, na mulher. Segundo a descrição de Milligan e Morgan, o cu tem como limite superior o anel ano-retal, o ponto mais alto, e como limite inferior a linha anocutânea ou linha branca de Hilton.
O cu é também dotado de papilas, minúsculas saliências ovalares da mucosa, às vezes mesmo imperceptíveis. E por todos os lados o cu é circundado por rica rede vascular comunicante, espessada túnica muscular, constituída pelos feixes fibromusculares elásticos e fibras lisas, formando um complexo aparelho regulador da continência do cocô e dos peidos. No entanto, por mais complexo que seja o cu, ele é prazeroso e todos, no íntimo e no recato, o apreciam e valorizam.

Luciana Guimarães disse...

Dizem que quem o tem, tem medo. Anônimo... Estou vendo que quem tem, tem é coragem... huahauhauhau

João Pinto Costa disse...

lollllll
muito bom este post.
beijo
http://maildeumlouco.blogspot.com/