terça-feira, 21 de julho de 2009

LAXANTE GRIPAL

Dói as costas, as pernas, o pescoço, os braços e as articulações dos dedos, por isso demorei de postar. Ainda tem a maldita corise, a febre, a moleza além da natural baiana, os espirros, a tosse que arranca pedaços vultosos dos meus pulmões e o maldito preconceito contra a gripe suína. Pois é. As pessoas que foram contaminadas com o H1N1 têm razão em reclamar de preconceito. Agora entendo o quanto é verdade. Não precisa fechar a página, pois esse vírus não se pega pela Internet, e eu não contraí a gripe dos 3 porquinhos, mas tenta fazer acreditar nisso os velhinhos que me viram na fila do banco botando os bofes pra fora de tanto tossir! Além de bizarro, foi hilário.

Todas as pessoas que conheço, que viajaram para o exterior, juram de pés juntos, e sem tossir, que lá fora não está esse estardalhaço todo em torno dessa variação da gripe. Não sei. Por enquanto, no Brasil, a dengue, a meningite e o trânsito me preocupam mais. Mas vamos às minhas malditas tosses.

Na segunda à tarde, fui pagar a taxa de inscrição no mestrado. Prefiro ir ao banco no horário perto de encerrar, pois os caixas agilizam tudo para irem embora logo. Eram 4 guichês. Um quebrou, um fechou, outro ficou atendendo normal e o outro preferencial – leia-se, gestantes e idosos.

Minha tosse é, e sempre foi, daquelas que começam fracas, vão emendando uma na outra até culminar numa tossona putaquepariu que parece que vou vomitar. Se não beber água fico nessa aí até voar um pedaço do pulmão na cara de algum zoiudo. Que ecaaaaa!!! Nesta tarde, tinham bem uns 15 idosos na fila de atendimento.

Nas primeiras vezes, eu tossia e respirava fundo, tentando controlar a situação, mas o cara da frente ficava me olhando por cima dos óculos de enxergar longe. Eu tossia e ele olhava de novo. Por mais que eu tenha sido educada e colocado a mão na boca, ele me olhou de cima a baixo umas 10 vezes, pelo menos. Aquilo começou a me incomodar e fui tentando segurar [respira, respira, respira, respiraaaaa porraaaaaaa], mas aí chegou uma hora que o cof cof cof saiu involuntário, foi piorando, piorando e quando comecei a botar os respirantes pra fora os velhinhos começaram a se afastar. Daí é que comecei a entender que todos estavam com medo de minha gripe.

Eu já tinha uns 50 minutos na fila quando meu celular tocou. Me deu uma vontade mais que louca de simular uma conversa dizendo que tinha acabado de desembarcar da Argentina, etc. e tals. Pagava pra ver se todos não iam dar uma carreira e eu seria atendida num minuto. Se todo mundo viu que eu estava passando mal de tanto tossir, e esboçavam uma cara de pânico, porque infernos ninguém pediu para eu ser atendida logo ou me ofereceu um copo com água? Tossi, tossi, tossi e deixei todos os velhinhos com a pulga, de porco, atrás da orelha. “Será que eu peguei a gripe daquela moça?”. Na primeira tosse eles vão ao hospital, se já não foram.

Assim que entreguei a documentação na faculdade fui ao médico. Esperei mais 2 horas para ser atendida. Que ódio. Você acha que a tosse passou? Nada... Mas dessa vez as pessoas que estavam do meu lado nem deram uma disfarçada. Se mandaram mesmo. Pelo menos ganhei lugar para colocar a bolsa. Vocês acreditam que tinha gente em pé, mas não sentava do meu lado? Minha tosse deve estar muito feia mesmo...

Hoje tomei vergonha na cara e comprei umas vitaminas e pastilhas para tosse. Até às 16h eu tinha chupado 20 para enrolar a tosse, mas minhas amigas me alertaram que essas balinhas são péssimas para o estômago. Já devo estar de úlcera... Minha barriga já está doendo de tanto tossir, mas nada é mais traumatizante que as pessoas se afastarem de você com tanto medo. Sempre que o clima muda um pouco fico gripada e dessa vez não foi diferente. Agora, quando for tossir, só de sacanagem, vou imitar um porquinho tossindo: coinc, coinc, coinc.


Pesquisando figuras para ilustrar aqui ainda achei uma piadinha que pode ser a solução para os meus problemas:

O farmacêutico entra na sua farmácia e nota um homem petrificado, com os olhos esbugalhados, mão na boca, encostado em uma das paredes. Ele pergunta para o auxiliar:
- Que significa isto. Quem é a pessoa que está encostado naquela parede?
- Ah! É um cliente. Ele queria comprar remédio para tosse. Como está caro e ele não tem dinheiro, vendi para ele um laxante.
- Ficou maluco! Desde quando laxante é bom para tosse?!
- É excelente. Veja o medo que ele tem de tossir!

5 comentários:

Aninha Leme disse...

kkkkkkkkkkkkkkk
nossa, demaissssssssss essa piadinha!!! kkk tadinho do cara da tosse! me deu dó.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
fico imaginando vc com tosse de cachorro louco e a galera evadindo os locais por onde vc passa.
pqp!

beijos

Elisa no blog disse...

Minha estava com tosse e disse que nem estava saindo mais por causa do preconceito... Todo mundo olhava feio achando que era gripe suína. Acho que não era porque ela já melhorou.
Espero que vc tb já esteja recuperada.
beijos,
Elisa

Alexsandra Moreira disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, que piada boa da porra... fiz a maior zuada aqui no trampo.

Ainda bem que no fim de semana vc estará boa para não me passar essa banana... Tome bastante remédios...rsrsrsr

Que pena dos velhinhos... acho q independente de ser suína ou não eles são muito frageís, daí o medo.

bj

Desabafando disse...

kkkkkkkk....ri mto com o post....
pior é tentar segurar tosse né? aí que vai ficando pior mesmo. Hoje estava no supermercado com minha mãe e vi um sr andando com aquelas máscaras.....fiquei assustada...pq eu não estou nem aí pra essa gripe, acho que há muito mais estardalhaço do que devia, pq todo mundo começa a achar que está ou vai ficar com essa doença.
Espero que esteja melhor! Se cuida!

Tiago disse...

Ô Lú!!! Você não espantou, direito, os velhinhos da fila!!! O "canal" é já entrar no banco com uma máscara na cara!! A máscara é que causa o pânico!! Se você soltar um: "buenas -cof, cof- tardes", então!!! Esvaziava o recinto rapidinho!!!rs Melhoras!!!!