quinta-feira, 7 de maio de 2009

DEMÊNCIA DE DOER

Meu sonho de “não consumo” é me tornar uma pessoa ecologicamente correta e, dentre outras coisas, vegetariana. Já consigo recusar certas embalagens. Se o invólucro engana muita gente, no presente só serve para rechear o lixo. Mas meu grande mal ainda é a carne. Nem posso ir a exposições de bovinos, pois tenho vontade de dar uma abocanhada no bichinho ali mesmo. De barriga cheia, penso no sofrimento do animal... blá-blá-blá etc. e tal... Mas, aí, não tem mais o que fazer... O jeito é continuar tentando. Na verdade, tenho medo é de um dia os seres irracionais, esses que transformamos saborosamente em sanduíche, nos transmitirem doenças realmente pandêmicas, pois o mal da vaca louca (atualmente com um caso suspeito em BH), a gripe aviária (cujos novos casos estão sendo avaliados no Egito) e a suína (que está tocando o terror sem ter chegado ao Brasil) foram, e estão sendo, mais estardalhaço e conjecturas de sensacionalistas em busca de audiência. Fiquei realmente surpresa agora, ao abrir o site de um jornal que considero de grande relevância, e ver um link falando sobre a meningite do filho de Cláudia Leitte. Normal. Se tem gente sem ter o que fazer, que precisa saber como está o filho dela, tem que existir alguém para escrever sobre isso. O que isso muda na minha vida? Absolutamente nada. É a maldita da audiência que nos persegue. Só para ter ideia do retardamento mental de determinadas pessoas, a morte do ex-marido de Suzana Vieira me rendeu grandes discussões. Faz um tempo que alguém comentou comigo algo sobre a morte do rapaz. Mostrando meu interesse pelo assunto, perguntei quem era ele. A pessoa me olhou com uma cara de “QUE JORNALISTA DESINFORMADA!!!”. Putz!!!! Aquele ar de doutoranda em assuntos medíocres me deixou furiosa. Por que todo mundo acha que jornalista TEM que saber de tudo? Não temos que saber de nada além do que nosso trabalho exige. Se vou fazer uma matéria sobre um assunto, fico expert nele. Pesquiso tudo e mais um pouco. E, como não cubro bastidores do mundo das drogas, jamais saberia quem era o ex-marido de Suzana Vieira. Vamos combinar, tenho muito mais o que fazer a ficar lendo esse tipo de coisa. Armar minha cachola me custou caro para eu me gastar com isso. Achei até normal a nota sobre a meningite do filho da cantora baiana. O que não engoli, sem dar muitas gargalhadas, foi a sugestão para o leitor deixar um recado de apoio à mamãe, hábito popularizado pela mídia on-line norte-americana, claro. Como não bastasse o link, os leitores deixaram muuuitas pérolas. É uma pena eu achar que não é ético citar o jornal. Mas vou comentar dois posts que achei o máximo. A isso eu não quis resistir. Logo um dos primeiros comentários diz que “é uma pena saber que uma doença que mata mais que a Aids e a dengue ainda não tem vacina liberada... São 16 pessoas que morrem todo dia no país...” (esse é um dado do leitor, pois minha megaeditora me avisou que esse número chegou a 23, somente na Bahia, em 2009). Velhooooooo... Pense numa mãe que está com o filho na UTI. Isso é tudo que ela precisa saber!!! Que o baby dela pode somar mais um na estatística, falsa, ainda por cima. Enfim... O bom senso mandou lembranças ao leitor. Outra mensagem diz: “Bom, Claudia Leitte, neste momento, você mais do que ninguém, precisa de apoio, embora deva saber que você também é um ser humano passível de enfermidades e algumas, dinheiro nenhum pode recuperar. Pense nisso”. Ribanceira abaixo, os internautas disseram de tudo: das mensagens de ódio (acusando-a de imitadora e mãe desleixada) às do mais tenro amor de fãs, que desejam a melhora do bebê. Eu desejo, assim como desejo também que muitas outras pessoas que estão em leitos de hospitais públicos, sem a menor assistência, melhorem e vão para casa... Deus é quem sabe se a cantora vai ler esses comentários. Liberdade de expressão? Concordo totalmente com bônus extra – que só a redundância me permite. Mas não é do seu filho nem de você que estão falando lá. Com a cidade alagada e tantas doenças à solta, me tranquei nesse meu mundinho para tossir sozinha. Não é gripe suína, garanto. É engasgo.

4 comentários:

Alexsandra Moreira disse...

EU acho que alguns acreditam que ela lê esses comentários, outros querem render conversa com outros leitores. Mas será que os assessores dela não leem a matéria e passa para ela algo? QSM (quem souber morre) rsrsrsrsr

Eu não sou de acompanhar a vida de ninguém, mas leio vários sites de notícias diariamente, pelo menos toda manhã e toda tarde. Vejo as chamadas, mas só leio se me interessar. Coisa de viciado em internet.

Acho também que tem leitores para diversos assuntos, uns com maior importância e outros nem tanto. Tem gente que lê de tudo.

Acho que você anda trabalhando demais também.heheheh Não tem tempo para nada.

bj

Cirilo Veloso Moraes disse...

Que post salada da porra. Começou falando de carne, depois passou pra doenças do filho da claudia leite, sobre você não saber de tudo apesar de ser jornalista e acabou na sua tosse que não deve ser gripe suína, apenas engasgo.

Não entendi a relação do conteúdo com o título, mas tudo bem. Deve ter sido a leitura rápida.

De qualquer forma, xêro pra você e uma excelente quinta.

;)

Luiza disse...

"Por que todo mundo acha que jornalista TEM que saber de tudo?"
isso é irritanteeeee!!rsrs

Luciana Guimarães disse...

Pois é, Lu... É como exigir de um médico uma especialidade que não é sua.. Por isso não tenho vergonha de não estar 100% informada de tudo, pois nem todo tipo de informação me interessa. E nem todas que me interessam terão valor para outras pessoas... Por isso cada uma clica no link que lhe interessa. Nisso, concordemos, a Internet é democrática (com exceção dos pop-ups). Cirilo, querido, como disse no primeiro post, não tenho a intenção de ser, aqui, uma pessoa "mono". Já o sou ao longo do dia. Aqui é o espaço que criei para divagar, usar meu sarcasmo, de escrever o que esqueci de comentar de dia... Mas posso diminuir o ritmo...